sexta-feira, 28 de março de 2014

Discurso de António Ferro



Discurso de António Ferro, Presidente da Direcção da Emissora Nacional, sobre a importância da cultura musical portuense, por ocasião da inauguração dos estúdios do Emissor Regional do Norte da Emissora Nacional. Clique aqui.

"É possível que Lisboa não se preocupe musicalmente com o Porto, que a Emissora não vos tenha visitado tantas vezes quantas seria para desejar, mas a verdade, é que para estabelecer mais frequentemente esses contactos, teríamos de recorrer aos próprios artistas do Porto, visto serem eles afinal, em grande parte, que contribuem para a elevação do nível musical de Lisboa e para o próprio nível da Emissora. (...) Guilhermina Suggia, a grande musa do violoncelo, cujo arco é sempre um verdadeiro arco do triunfo (...) cuja arte faz hoje tanta falta a Lisboa como a visão do seu tejo ao azul da sua abóboda (...)"
António Ferro

quarta-feira, 26 de março de 2014

Nome de romance

"O «Nome de Guerra» (...) é talvez o único livro entre nós nos últimos trinta anos que merece o nome de romance. (...)"

António Telmo
n.º 5006, Lisboa, 12 de Setembro de 1956, pp. 7 e 15

terça-feira, 25 de março de 2014

Poemas de Natércia Freire


A António Quadros, à sua poesia, à sua alma, à singularidade do seu Pensamento, com a mais viva admiração e amizade, of.[erece]


Natércia Freire

"A vida vai expulsar-me, descontente,
e Deus me irá julgar e condenar,
porque me esperei em séculos ausentes
e não cumpri, presente, o meu lugar. (...)"

Natércia Freire
Música Perdida, em Poemas e Liberta em Pedra, (1967) pp. 106-107

segunda-feira, 17 de março de 2014

Correspondência entre António Telmo e António Quadros

"Entre 1986 e 1987, António Quadros publica os dois volumes de Portugal Razão e Mistério, obra que motiva o maior número de cartas trocadas entre os dois pensadores. Depois do primeiro livro, no dia 31 de Maio de 1986, António Telmo, coloca António Quadros ao lado de Álvaro Ribeiro e José Marinho, como um dos mais importantes pensadores portugueses do século XX. Apesar disto, revela a frustração pelo pouco eco que a filosofia portuguesa tem em Portugal, mesmo aquela que é protagonizada pelos seus melhores intérpretes. Conta ainda que, José Marinho, pouco antes de morrer dissera que Se tiver de voltar de novo à vida, peço a Deus para não nascer português. É um povo de vesânicos. Houvesse o Álvaro Ribeiro nascido na França, na Alemanha, na Inglaterra e seria hoje admirado como o maior filósofo da actualidade. (...)"

Correspondência entre António Telmo e António Quadros
o neto, no 21º aniversiário da morte de António Quadros

domingo, 16 de março de 2014

Pensando bem, não era infeliz


"Você ainda é novo e creio que essa vida lhe agradaria. Disse que sim, mas que, no fundo, me era indiferente. Perguntou-me depois se eu não gostava de uma mudança de vida. Respondi que nunca se muda de vida, que em todos os casos as vidas se equivaliam e que a minha aqui, não me desagradava. Mostrou um ar descontente, disse que eu respondia sempre à margem das questões e que não tinha ambição, o que, para os negócios era desastroso. Voltei para o meu trabalho. Teria preferido não o descontentar, mas não vejo razão alguma para modificar a minha vida. Pensando bem, não era infeliz. Quando era estudante, alimentara muitas ambições desse género. Mas, quando abandonei os estudos, compreendi muito depressa que essas coisas não tinham verdadeira importância. (...)"
Albert Camus
O Estrangeiro, trad. de António Quadros

quinta-feira, 13 de março de 2014

António Quadros e Edwin Honig

Edwin Honig

"Volto a António Quadros para contar uma história dele que teve belas repercussões, independentemente de ele ser direita ou esquerda. Ou de eu gostar da leitura nacionalista que ele faz de de Pessoa. Um dia, na praia de Sesimbra, um americano estava estendido na areia ao lado de um casal português. O homem lia um livro. O americano, curioso e intrigado, meteu conversa. Que livro era aquele? Era de um tal Fernando Pessoa. E o leitor, António Quadros. Conversa puxa conversa, o americano, que nunca ouvira falar de Pessoa, ficou cativado e quis saber e ler mais e mais. Sabia espanhol muito bem. Era autor de traduções, muito conhecidas nos EUA, de Cervantes, Calderón de la Barca, F. Garcia de Lorca e Lope de Vega. Chamava-se Edwin Honig. Era também poeta e professor no Departamento de Inglês da Brown, colega do George Monteiro. O encontro levou Honig a interessar-se por Pessoa e, mais tarde, a ser o primeiro tradutor de Pessoa para inglês, em 1971. Vários anos depois, foi ele que me cedeu a sua correspondência com Thomas Merton, sim, o monge trapista que líamos nos anos 60 no Seminário de Angra (A Montanha dos Sete Patamares, em edição brasileira comprada no Sargento Ferreira, ao Alto das Covas). Merton traduziu poemas de Caeiro ( "O Guardador de Rebanhos), a pedido de Suzuki, o introdutor de Zen no Ocidente. A história ainda mete o poeta Octávio Paz, amigo de Honig. Mas isso tudo eu já contei num artigo - "Sobre a mundividência Zen de Pessoa-Caeiro", publicado na Nova Renascença, do saudoso José Augusto Seabra (estórias dele para outra ocasião) e que integrei no meu livro Pessoa, Portugal e o Futuro, a sair na Gradiva e que por isso não vale a pena repetir aqui.
E tudo isto por causa de um meramente casual encontro de duas pessoas deitadas ao sol numa praia de Sesimbra. (...)"
Onésimo Teotónio Almeida
(de um livro ainda inédito) 

quarta-feira, 5 de março de 2014

Era ainda o sentimento da nossa própria importância

António Telmo

"O grupo de filosofia portuguesa reunia-se nesse tempo na Brasileira do Rossio, hoje, como a maioria dos cafés, transformada em banco. Vale a pena descrevê-la, uma vez que muitos leitores já não puderam conhecê-la. É hoje em mim uma impressão de duas colunas de mármore castanho e brilhante da Arrábida numa casa comprida, escura e cheia do fumo dos cigarros. De um e de outro lado, espelhos paralelos multiplicavam as suas imagens até ao infinito. Supúnhamos ser uma antiga loja maçónica e os mais novos, na sua fantasia de adolescentes, viam no facto de ali ser o lugar de reunião da filosofia portuguesa uma escolha intencional dos mais velhos. 
Constava que Álvaro Ribeiro era maçon. Para nós, a Maçonaria que, mais tarde, viria a patentear-se-nos como uma organização política de práticas e fins medíocres, era um lugar misterioso do espírito, que continha, envolvida de grande segredo, o ensinamento primeiro e último. Esta falsa noção actuava como um catalisador. Não seria, pois, possível atingir o verdadeiro conhecimento através dos livros e da reflexão própria. Eu não aprendera ainda a separar o homem social do homem real, sobretudo ou muito menos naqueles com quem privava diariamente. Conhecemos uma pessoa por um nome que nada nos diz na medida em que serve apenas para a determinar na multidão indefinida das outras pessoas; ligamo-la a uma família, a uma profissão, a um meio social; atribuímos-lhe mais ou menos valor; relacionamo-la principalmente connosco, com os nossos interesses, prezando-a ou desprezando-a conforme actua em relação ao sentimento que vivemos da nossa própria importância. 
Era ainda o sentimento da nossa própria importância que funcionava na criação de um falso mistério à volta da pessoa de Álvaro Ribeiro. A possibilidade de virmos a ser iniciados na Maçonaria através dele tornara-o prestigioso e prodigioso a nossos olhos. Púnhamos assim véus sobre véus a esconder o verdadeiro mistério que é o do ser singular, tal como é em si, na relação vivente com a insondável origem donde todos os seres provêm e perdíamos assim a possibilidade de nos conhecermos, perscrutando-nos, na mesma insondável relação. Todavia, eu gostava de subir o Chiado lentamente, porque era um espanto a singularidade de cada rosto, olhado numa espécie instintiva de dupla atenção. Todos aqueles rostos, um a um, sobretudo os olhos, emergiam repentinamente do desconhecido que me habitava. (...)"

António Telmo
Na casa de meu pai, éramos três irmãos (inédito)
 Texto completo aqui.