sexta-feira, 7 de março de 2008

"As caravelas já não partem deslumbradas a desvelar o Cabo. Não. O tempo é outro. Mas os pescadores portugueses continuam na praia a fixar com olhos estáticos o mar infindável e a viver e a lutar e a sofrer e a morrer o destino do mar.
E na imaginação das crianças e dos adolescentes, no inconsciente dos adultos frustrados numa fixação à terra que lhes parece injusta e odiosa, a ideia da aventura, da viagem, do descobrimento palpita como uma promessa e como uma fascinação."

António Quadros

1 comentário:

Lueji disse...

Há muitos anos fiz um pequeno trabalho na faculdade sobre António Quadros.
É bom reler agora as suas palavras aqui.